MERCADO

Construção civil cresce abaixo do esperado, mas setor prevê retomada em 2014

whatsapp facebook e-mail imprimir

MERCADO

por Marli Moreira, da Agência Brasil

O andamento das obras públicas e privadas em ritmo mais lento frustrou a projeção de um crescimento entre 3,5% e 4% para o setor. De acordo com as estimativas apresentadas hoje (2) pela diretoria do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo, Sinduscon-SP, o crescimento deve alcançar 2% neste ano, ante aumento de 2,5% do PIB nacional, embora os números do exercício ainda não tenham sido fechados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

“O ano de 2013 foi ruim para o Brasil”, classificou o presidente da entidade, Sergio Watanabe, acrescentando que a falta de dinamismo na economia acabou criando um comportamento mais cauteloso por parte dos empresários. Para 2014, no entanto, a estimativa do Sinduscon-SP é de retomada, não no mesmo vigor de 2010, mas ao menos com a expectativa de que a construção civil cresça 2,8% em caso de um PIB nacional com expansão de 2%.

Na avaliação da economista Ana Maria Castelo, coordenadora da área de Estudos de Construção Civil da Fundação Getulio Vargas (FGV), o que influenciou o desempenho mais fraco, neste ano de 2013, foi o segmento da infraestrutura. “O PAC [Programa de Aceleração do Crescimento] andou em ritmo mais devagar”, destacou. Para ela, as concessões ainda vão demorar um pouco mais de tempo para serem captadas na avaliação de desempenho do setor.

A economista destacou o fato de que já há uma mudança na percepção dos empresários quanto aos retornos dos investimentos com tendência mais positiva para 2014, segundo mostram as pesquisas de sondagem. Já o vice-presidente do Sinduscon-SP, Eduardo Zaidan, prevê que o mercado imobiliário continuará aquecido no eixo Rio e São Paulo.

O executivo mantém a defesa de que não existe uma bolha no setor. Na opinião dele, isso só ocorreria caso a economia entrasse em forte recessão, um cenário que ele não vislumbra. Ele acredita que os preços dos imóveis tendem a sofrer reajustes em índices menores do que nos últimos anos. No entanto, Zaidan disse que não há espaço para uma queda de valorização e defende maior deslanche dos negócios por meio do aumento de renda da população.

Dados divulgados hoje pelo setor apontam que o número de empregados com carteira na construção civil atinge em torno de 3,5 milhões, com crescimento previsto em 1% neste ano e 1,5% em 2014.

Últimas Notícias

Mais um aumento na conta de luz. Energia mais cara em setembro. Mais um aumento na conta de luz. Energia mais cara em setembro. Mais uma vez Aneel cria nova bandeira tarifária e taxa extra da conta de luz é de R$ 14,20
Como Funciona a Energia Solar? Como Funciona a Energia Solar? Entender detalhadamente como funciona a energia solar é um importante requisito para a aquisição ou montagem de um sistema de geração de energia solar.